sexta-feira, 20 de abril de 2012

Manto de silêncio, inclusive da Assembleia, acoberta violência política em São Leopoldo

É avassalador o silêncio da Assembleia do RS sobre as malfeitorias investigadas em São Leopoldo no âmbito da Operação Cosa Nostra, que atinge até mesmo uma deputada estadual, Ana Affonso, do PT, cunhada do prefeito Ary Vanazzi.

. O ambiente político e social em São Leopoldo é de violência e insegurança. Ameaças de morte e ataques armados tornaram-se recorrentes. Um chefe de gang já foi preso e a Polícia quer saber quem foi o mandante das ameaças que fez contra o ex-secretário Marco Antonio Pinheiro.

. O prefeito da cidade controla a Cãmara de Vereadores (11 dos 13 vereadores) e não anda o pedido de CPI requerido pelo vereador Daniel Daudt.

. Polícia Civil, MPE e TCE não falam, não vazam nada, ao contrário do que aconteceu nos casos das Operações Rodin, Solidária, Mercari e Cartola. A grande mídia está calada.

- O prefeito Ary Vanazzi não pode mais permanecer no cargo, pelo menos durante o período das atuais investigações da Operação Cosa Nostra.

CLIQUE na foto para ver melhor. Trata-se do prefeito Ary Vanazzi. Ninguém entende como é que ele ainda não foi afastado do cargo. 

13 comentários:

Anônimo disse...

Políbio, não é o caso de você, como jornalista independente, divulgar por sua rede, principalmente a Veja, esse descalabro institucional aqui no RS ?

Já que a grande mídia se omite, convenientemente, não é o caso de "espalhar" a m**** ?

A que ponto se chegou neste estado : a mídia comprada por um partido político, ocultando a informação, em afronta à própria Constituição Federal !!!

Por isso que eu digo : não busquem informação na mídia local, há pouca coisa que preste. Dica : o programa do Mendelski, na Guaíba !!!

Anônimo disse...

Até onde se saiba o Ministério Pùblico e a Policia Civil estão investingando. Houve inclusive apreensão de objentos a mando judicial.

Flávio Paranhos disse...

Nessas horas a sociedade tem de aguçar suas antenas, pois o silêncio obsequioso do parlamento em tempos de liberdade é o mesmo silêncio dos tempos da ditadura, ou seja, um silêncio corporativo e danoso para o estado democrático e de direito. O silêncio dos parlamentares, principalmente daqueles que DEVERIAM, por delegação do voto, FAZER OPOSIÇÃO, é temerário pois demonstra que são invertebrados, incapazes, magarefes da verdade e soezes com a democracia que lhes dá a palavra livre e lhes paga regiamente o salário.

Anônimo disse...

E o jornal oficial do PT em Porto Alegre não toca no assunto...

FlavioMPinto disse...

a mesma ladainha em relação ao governo estadual: votaram, agora que aguentem. Depois digam que não sabiam.

Anônimo disse...

Se o prefeito Ary Vanazzi/PT fosse do PSDB o mundo teria vindo abaixo, os aloprados do PT acampariam na frente da casa dele, vários pelegos do partido estariam na mídia a cada segundo falando mal e pedindo afastamento imediato.

Mas como este prefeito faz parte do partido dos PTralhas, tudo pode e tudo é legal, o que ele fez foi em prol do povo, o que os outros fazem é em prol do seu bolço, é por tudo isso que vivemos na Banania.Pode?

Vamos estocar comida!!!!!!

Anônimo disse...

Aguarda-se um estalido de tiro para quebrar o silêncio.

Anônimo disse...

Vivas ao Brasil. É o país entregue as consequencias do voto dos que não pensam. Aprender a votar custa caro. Paciência, né? Tenhamos piedade dos que ganharam o poder do voto e não sabem usa-lo.

Anônimo disse...

Vivas ao Brasil. É o país entregue as consequencias do voto dos que não pensam. Aprender a votar custa caro. Paciência, né? Tenhamos piedade dos que ganharam o poder do voto e não sabem usa-lo.

Anônimo disse...

Polibio, poe na veja, zero hora, o sul, correio do povo, etc mas, façam alguma coisa não da só para denunciar tem que ser feito algo

Abraços

Anônimo disse...

Não foi afastado por falta de vaga nos presidios.

Anônimo disse...

Num país onde assassino preso vota, ignorante vota, interesseiros (funcionários públicos) votam.

Isto é só o começo.

Anônimo disse...

Num país onde assassino preso vota, ignorante vota, interesseiros (funcionários públicos) votam.

Isto é só o começo.