Procuradores do MPF querem que Geddel volte para a cadeia

Um dia após Geddel Vieira Lima sair do Presídio da Papuda, no Distrito Federal, o Ministério Público Federal pediu nova prisão preventiva contra o ex-ministro de Michel Temer. Para os procuradores Anselmo Lopes e Sara Moreira Leite, novas informações colhidas na investigação mostram que Geddel cometeu os crimes de exploração de prestígio e tentou bloquear as investigações.

Os procuradores se baseiam nos depoimentos do doleiro Lúcio Bolonha Funaro e de sua esposa, Raquel Pitta. Os dois detalharam os contatos feitos pelo ex-ministro. Segundo o MPF, Funaro disse, em depoimento, que Geddel "alegou exercer influência criminosa sobre o Poder Judiciário da União".

O operador financeiro disse à Polícia Federal que, após realizar sua audiência de custódia, Geddel mandou mensagem via WhatsApp reclamando da troca de advogado de Funaro e disse que, com a entrada da nova defensora, tinha "ficado ruim para o juiz". Ainda de acordo com o MPF, o "juiz" citado por Geddel "deve ser entendido como magistrado, ou seja, membro do Poder Judiciário."

2 comentários:

Anônimo disse...

Mas os demais membros da quadrilha e pelo menos dois ministros do STF não querem.

Anônimo disse...

JUIZ NEGA NOVO PEDIDO DE PRISÃO DE GEDDEL VIEIRA LIMA:

Na decisão, o juiz Vallisney Oliveira entendeu que os fatos levados ao juízo pelo MPF não são novos e foram avaliados pelo desembargador Ney Bello, que determinou a soltura de Geddel. Além disso, o magistrado entendeu que não pode desrespeitar a decisão do desembargador.

13 DE JULHO DE 2017

O juiz federal Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, negou hoje (13) novo pedido do Ministério Público Federal (MPF) para prender preventivamente o ex-ministro Geddel Vieira Lima. O pedido foi feito um dia após a Justiça Federal em Brasília conceder prisão domiciliar ao ex-ministro.

Na petição, os promotores apresentam elementos que consideram que o desembargador Ney Bello, da Segunda Instância da Justiça Federal, não levou em conta ao conceder a prisão domiciliar a Geddel, como, por exemplo, depoimento recente e inédito prestado pelo doleiro Lúcio Funaro, que acusa o ex-ministro da prática de exploração de prestígio ao tentar interferir no trabalho do Poder Judiciário.

Na decisão, o juiz entendeu que os fatos levados ao juízo pelo MPF não são novos e foram avaliados pelo desembargador Ney Bello, que determinou a soltura de Geddel. Além disso, o magistrado entendeu que não pode desrespeitar a decisão do desembargador.

Mais cedo, o desembargador Ney Bello determinou que o político baiano seja solto, mesmo sem o equipamento de monitoramento eletrônico. A decisão se deve ao fato de o sistema penitenciário do Distrito Federal não ter disponibilidade de tornozeleiras eletrônicas, nem os meios de monitorar, à distância, os sentenciados.

Em nota, a defesa de Geddel considerou o novo pedido de prisão como uma afronta à decisão que libertou o ex-ministro. “O pleito de prisão preventiva, dessa forma, nada mais é que verdadeiro terrorismo processual, vã tentativa de sufocar o Poder Judiciário e, ainda mais grave, jogar a opinião pública contra esse juízo, explorando que a ausência de conhecimentos técnicos da população sobre os fatos do processo cause indevida comoção pela decretação de gravosa medida cautelar”, argumentou a defesa.

PS: Só tem um juiz no Brasil que não está nem aí para as instâncias superiores. Ops.............A República de Curitiba é independente, portanto, não se vincula as instâncias superiores como os demais juízes.