Santander cancela "mostra de arte" que faz apologia da pedofilia, zoofilia, vilipêndio religioso e pornografia.

Uma das obras da exposição (clique em cima para ampliar), mostra perversões sexuais da mais baixa extração humana.  

CLIQUE AQUI para examinar protestos de portoalegrenses no interior da "mostra". São vários vídeos.

O banco Santander não suportou as pressões dos chamados multiplicadores de opiniões, no qual o editor se inclui, e resolveu acabar com a mostra de "arte" que faz clara apologia da pedofilia, zoofilia, vilipêndio religioso e pornografia, tudo no âmbito do espaço que chama de Santander Cultural, zona central de Porto Alegre.

Centenas de correntistas do banco ameaçaram encerrar suas contas e o deputado Onyx Lorenzoni resolveu convocar o ministro da Cultura, amanhã, para que explique por que razão o dinheiro público foi parar nos cofres do banco para bancar a "mostra de arte".

Leia a nota do Santander Cultural, lançada ainda há pouco:

NOTA SOBRE A EXPOSIÇÃO QUEERMUSEU

Nos últimos dias, recebemos diversas manifestações críticas sobre a exposição Queermuseu - Cartografias da diferença na Arte Brasileira. Pedimos sinceras desculpas a todos os que se sentiram ofendidos por alguma obra que fazia parte da mostra.

O objetivo do Santander Cultural é incentivar as artes e promover o debate sobre as grandes questões do mundo contemporâneo, e não gerar qualquer tipo de desrespeito e discórdia. Nosso papel, como um espaço cultural, é dar luz ao trabalho de curadores e artistas brasileiros para gerar reflexão. Sempre fazemos isso sem interferir no conteúdo para preservar a independência dos autores, e essa tem sido a maneira mais eficaz de levar ao público um trabalho inovador e de qualidade.

Desta vez, no entanto, ouvimos as manifestações e entendemos que algumas das obras da exposição Queermuseu desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas, o que não está em linha com a nossa visão de mundo. Quando a arte não é capaz de gerar inclusão e reflexão positiva, perde seu propósito maior, que é elevar a condição humana. O Santander Cultural não chancela um tipo de arte, mas sim a arte na sua pluralidade, alicerçada no profundo respeito que temos por cada indivíduo. Por essa razão, decidimos encerrar a mostra neste domingo, 10/09. Garantimos, no entanto, que seguimos comprometidos com a promoção do debate sobre diversidade e outros grandes temas contemporâneos.