A falácia da dívida maior com a União

A colunista do Correio do Povo, Taline Oppitz, surpreendeu-se, hoje, com os termos de um "documento elaborado por técnicos de vários Partidos", pelo qual fica demonstrado que ao final e ao cabo da carência oferecida pela repactuação da dívida com a União, as prestações mensais pularão de R$ 300 milhões mensais para R$ 450 milhões.

Acacianamente, escreve a jornalista:

- Vamos aumenbtar e engordar a dívida com a União.

Taline Oppitz, do mesmo modo que a oposição lulopetista, não conhece a diferença entre "anistia" e "carência", mas basta consultar o Google para saber do que se trata.

36 comentários:

Anônimo disse...

A FRAU OPPITZ ASSIM COMO O JUREMA DA SILVA NAO SAO JORNALISTAS, OU SEHA, IMPARCIAIS! SÃO COMUNAS PAGOS E OU ABDUZIDOS PELA IDEOLOGIA DESASTROSA E MESQUINHA DO COMUNISMO!

Anônimo disse...


Uma fazendo isso num jornal e a outra lá do outro dizendo há 9 anos que o estado está “quebrado” !!

Mas nunca quebra !

São as 2 especialistas em generalidades superficiais.

Leia - se : palpiteiras com fonte na fofoca !!

Tomem tenência as 2

Anônimo disse...

A mais pura verdade.

Pode enfeitar como quiser, mas a matemática é simples: juros compostos.

Anônimo disse...

Sr. Editor,
Poderia nos informar aqui qual o custo financeiro dessa carência ( mais especificamente juros e outros eventuais acréscimos monetários), bem como quanto tempo essa carência acrescentou ao prazo de pagamento total da dívida.
No seu entender, há outras alternativas ao RRF?
Por derradeiro, os demais poderes se sujeitarão a alteração do cálculo da RCL utilizada no pagamento de pessoal?
Obrigado pela atenção.

Ricardo A. N. Dornelles disse...

Ao elaborar suas opiniões, essa gente canhota tem, como premissa, que tudo o que aí está deve ser destruído. Tudo o que lhes importa é a Causa, a sociedade justa, coletiva e solidária que será "construída" por eles, militantes. São infensos a raciocínios "burgueses". Como dizia o pedófilo Daniel Cohn-Bendit, Dani le Rouge, líder das revoltas de Maio de 68: "Sejamos razoáveis: peçamos o impossível!".

Anônimo disse...

Assim que sobrar algum dinheiro em caixa, a primeira coisa que vai acontecer é a mesma de sempre: rodada de aumentos/reajustes/equiparações/"resgate de dívidas históricas" com a corte do funcionalismo. E daqui alguns anos o RS estará quebrado de novo, com os piores serviços públicos da face da Terra.

Anônimo disse...

O editor sabe e mesmo assim apoiou esse projeto criminoso.

Anônimo disse...

CONTA A TUA VERDADE GRINGO SARTORI!

Bem que o Polibio poderia resumidamente explicar aos seus leitores de menos luzes como eu, e milhares de outros.

Porque a oposição prolifera? Porque assuntos mais técnicos não são explicados devidamente de modo simples, a milhares de pessoas,e daí,
FICA A MENTIRA DOS PETRALHAS COMO SENDO VERDADE UNICA!

Esclarecer de modo simples e resumido assuntos como esse, ajudaria a exterminar as falácias do pt, sem falar que os GOVERNOS DEVEM DIVULGAR INFORMAÇÕES DESTE TIPO DE MODO SIMPLES E RESUMIDO A POPULAÇÂO QUE NÂO È ACADEMICA... por favor, e oposição mente e faz o que quer, o governo nada diz, fica a VERDADE PETRALHA VALENDO!!!

amém.
Enviar se possivel ao Sartori que não tem PROFISSIONAIS DA NOTICIA PARA DIVULGAR O OFICIAL BEM ENTENDÍVEL AO POVO. ESTÁ AÍ UM EXEMPLO!!!! SE QUER VOTO GRINGO, CONTA A TUA VERDADE OU FICA VALENDO A DOS BANDIDOS, E DAÍ...TOP TOP!!!!

Anônimo disse...

A Taline assim como o Juremir e todo o CP não são isentos, são petralhas e deturpam os fatos e dados em favor da orcrim PT.

Anônimo disse...

mais um governo coxinha e o RS vai entregar toda a arrecadação....uma vergonha...o britoca garroteou 18 por cento o gringo sábado agora mais 25 por cento....Parabéns a vocês coxinhas filhos da puta

Anônimo disse...

Existe algum projeto para aumentar a arrecadação, gerar empregos na iniciativa privada, acabar com as regalias e benesses de todos os poderes e demitirem servidores públicos excedentes?

Sem isto é impossível do RS pagar uma parcela 50% mais alta ao final da carência, caso não haja projetos neste sentido, estaremos apenas empurrando com a barriga o problema.

Caso não exista projeto ou emenda neste sentido, temos que mobilizar os Deputados para isto caso queiramos tentar arrumar minimamente nosso estado.

Anônimo disse...

É impossível subir 50% por conta do não pagamento em três anos de uma dívida que ainda tem 30 anos pela frente. Pode ocorrer que nominalmente,incluindo a inflação, possa aumentar mais, mão não 50%. Isso é coisa de esquerdista que ver o circo pegar fogo. Essa Taline é fente do Juremir, só sabe falar contra o governo atual.

DR.FAÇANHA, O PENSADOR DO SÉCULO XXI disse...

Deixa ver se entendi, ó Polibio: na questão da dívida do estado, se ficar o bicho come: 300 milhões; se correr o bicho pega: 450 milhões daqui a três anos...Então LARGA essa bobagem de "lulopetistas" x situação: a gauchada está FERRADA MESMO!!! Tanto faz direita ou esquerda,"tão tudo fú"!!!

Observador disse...

Sim, mas em que bases será firmado esta repactuacao? Qual a taxa de juros a ser aplicada?

Unknown disse...

Explique-se Sr. Políbio: também entendo, na minha grotesca ignorância de leigo no assunto, que a dívida será aumentada em 50%, assim como 2+2=4. Independente do termo que for usar, falácia ou assunto sem alguma propridade, o fato é que até 2048 temos de honrar esse compromisso. 30 anos sem considerar as prorrogações que se sucederam uma após outra.i8

Anônimo disse...

Se é verdade que o RS irá se endividar ainda mais com adesão ao RRF, por que não há plebiscito ?! Acredito que este tema deveria ser avaliado pela população junto com as vendas das estatais !!

João Paulo da Fontoura disse...


É por essas e outras que desisti do meu CP - aviso, fui assinante durante mais de 30 anos!

Taline, para pular de 300 para 450 em três anos, teríamos que ter reajustes anuais cumulativos de 15% (estou arredondando!). Isso nos ensinam no secundário!

Com a nossa Prime caindo, o juro deverá ficar em torno de 6% ao ano, arredondando, 19% em três anos!

No máximo, chegaria em 360 milhões / mês!

Mesmo assim, há espaço para permanentemente discutir (pra baixo) estas planilhas de juros.

A Taline e o Voz Fina, jogam no mesmo time do senador Pain, que afirmava, do alto da sua sapiência (senador analfabeto), que o salário mínimo tinha que sem 'sem dólar'. Senador que afirma que a Previdência Social é superavitária! Qual dos três é mais ignorante?

Deveria haver uma cadeira de economia para os estudantes de jornalismo.

Anônimo disse...

O conhecimento da tabuada não é pré-requisito dos jornais.

Anônimo disse...



Pessoal !!

A Taline está em férias. Deve estar em Cuba. Quem escreveu o texto foi o interino.

Anônimo disse...

Então é carência ou anistia? Ou repactuação? Se for carência é óbvio que vai aumentar, ainda mais com um novo empréstimo de 10 bilhões. Esclareça em detalhes editor.

Anônimo disse...

Não, basta acrescentar mais um empréstimo de 10 bilhões e se alcança os 450 milhões por mês.

Anônimo disse...

Não há nenhuma falácia. O editor não considerou que serão tomados mais 10 bilhões de empréstimo e na matéria está claro que esse valor de 450 milhões mensais considera o fim da carência e o empréstimo de 10 bi a ser pago.

Anônimo disse...

A matéria do correio do povo considerou o empréstimo de 10 bi a ser tomado neste cálculo.

Mordaz disse...

Além de empurrar com a barriga as dívidas, qual o plano para o estado estar com capacidade de pagar daqui há três anos além do funcionalismo em dia?

Mordaz disse...

Por sinal, nada foi combinado com a próxima legislatura e com o futuro governador. Sabe-se lá em quem o eleitor vai resolver entregar o estado desta vez.

Anônimo disse...

O interino, pelo texto, é o Juremijo.

Anônimo disse...

Sr. Editor.
Se não há dinheiro para pagar a dívida agora, não vai ter para pagar no futuro. O raciocínio é simples.
Não havendo aumento das receitas ou redução das despesas a falência que nos espera será fatal. É só uma questão de tempo.
Não importa se o texto da jornalista é de esquerda ou de direita.

Anônimo disse...

dívida criminosa, os governadores que a fizeram deviriam ser PRESOS, PRA CADEIA; FAZER UMA DÍVIDA ONDE O CREDOR CONTROLA A TAXA DE JUROS.




Anônimo disse...

O Sartori vai deixar uma herança maldita ainda pior que o Tarso. Um estado ainda mais endividado, sem poder questionar na justiça o que a União lhe deve. Se isso não é pior eu não sei o que é.

Anônimo disse...

Vai pra fila do SINE, comedor de mortadela. Acabou a mamata.

Justiniano disse...

O problema dos petralhas é que não entendem nada de economia.

Dilma quebrou uma lojinha de R$ 1,99 e acabou quebrando o Brasil.

Kojak disse...

Bem... O PMDB fechou o caixão. Atrapalharam a Yeda. Culparam o Tarso por uma dívida de 50 bi, para qual ele colaborou com apenas 10%...
Como bem fala o Leite, candidato do PSDB, Tarso criou um problema de fluxo de caixa, em parte por aumentos a policiais e professores, em parte pela queda de arrecadação.
Não há estado mínimo que resolva essa crise. Ela é estrutural. MG, PR, RJ e RS estão quebrados. Não é incompetência coletiva, mas sim o fato de Brasília ficar com a maior parte dos tributos e ter traído os estados. A União cobra dívidas dos estados, mas não paga as suas. Não há encontro de contas. Podíamos ter tido 4 Texas.consecutivas e nem assim pagaríamos a dívida com a União...
Daí entra o PMDB, renegocia entregando tudo para os agiotas de Brasília, tal qual fez 20 anos atrás...
Acabaram de vez com o estado. Foram 4 dos últimos 8 governos, mas a culpa dos problemas financeiros é do PT... Pior: prejudicaram a Yeda de todas as formas.
É preciso muita força para acreditar que uma moratória vai resolver uma crise estrutural.
Nem o PSDB, nem o PT, muito menos o PMDB, que desde 85 só saiu do governo federal para derrubar presidentes, tentaram diminuir essa centralização e calotes que somados acabaram com os estados...
Sartori não tocou nos privilegiados e não quer vender o banco - onde não há como maquiar valores... Vai atacar ganhos de policiais e professores e vender monopólios na área energética...
O próprio Misses fala que tudo deve ser privado, exceto aquilo que, por natureza, será monopólio, tal qual é a distribuição de energia...
Se alguém acha que parar de pagar professores para pagar a polícia é solução, que fique aqui... Eu sou da tese que se não consegue garantir educação e segurança, o estado deve fechar as portas mesmo... Vai vender tudo e seguirá sem.conseguir pagar educação e segurança, e os gaúchos seguirão elegendo o PMDB e seus grandes governadores da Serra Gaúcha...
Quem será que Caxias produzirá para ajustar com a União a remessa de contingente populacional Gaúcho para trabalhar como escravo? Quem é o próximo estadista do PMDB que vai ocupar o Piratini e dizer que o RS está quebrado por causa da Ford ou dos depósitos judiciais?
Eu estou indo embora do estado com a minha família.
Fiquem e sigam votando no PMDB. Padilha agradece que gostem tanto dos incompetentes que ele traz de Caxias...

Roberto disse...

Resumindo: a canalha socialista quer que o Brasil inteiro pague as dívidas do RS. Assim não dá, mesmo porque os socialistas dos outros estados querem o mesmo para seus estados. Todos (socialistas, esquerdistas, bagunceiros, anarquistas, comunistas) vivem no mundo da lua.

Anônimo disse...

Boa viagem.

Kojak disse...

Então querer que a União pague suas dívidas com os estados é socialismo? Querer um federalismo concreto é socialismo? A última vez que eu conferi, centralização e calote eram coisas de esquerda...
Imposto sem retorno é confisco.
A maior fatia dos impostos deve ficar nos municípios, a menor com a União.
A realidade hoje é inversa. Nossa dívida é uma fantasia. Devemos 50 para quem nos deve 44! Mas por motivos misteriosos os 50 são exigíveis, os 44 não...
A solução é acabar com essa palhaçada ou seguir pagando de cabeça baixa, mesmo sabendo que a situação é ilegal e imoral?

Kojak disse...

Perfeito...
Tarso foi gastador e a crise multiplicou os efeitos disso.
Sartori vem sendo perdulário e mentiroso. Nem com quatro Yeda seguidas pagaríamos essa dívida injusta. O governador do RS precisa forçar o encontro de contas - União deve 44bi ao RS. Chegou a hora de lutar, senão acaba o estado.